Entrevista a Edson Madeira

Edson Madeira falou conosco acerca da sua participação no campeonato mundial e do Judo em Moçambique.

Edson, estes últimos meses têm sido de grande agitação para os atletas do Clube Naval. Como vês a evolução dos atletas moçambicanos nos campeonatos internacionais em que tens participado?
“Penso que até poderia ser mais agitado pois por vezes ficamos algum tempo parados, mas sim, temos feito de tudo para ter rodagem e para poder ombrear com os outros judokas de classe mundial o que não é fácil com a deficiência financeira que apresentamos. De uma maneira geral, temos apresentado uma crescente evolução. Os seniores procuram um lugar nos jogos olímpicos e os cadetes e juniores ainda só procuram experiência. Se ganharem, óptimo. O nível de exigência é diferente em ambos.”
Quais as experiências que trazes da tua participação nos jogos da Commonwealth?
- “Em todas competições há pontos positivos. Estes jogos foram mini jogos olímpicos. Foram bons em todos os aspectos: convívio, troca de experiências e vivências. De mau só teve mesmo o sorteio. (risos).”
Recentemente chegas-te aos 16avos de final na Rússia. Qual é a sensação?
“Este resultado chegou em muito boa altura pois depois de tanto treino não estava a ter resultados plausíveis. Sentia apenas que estava a melhorar mas os sorteios não me caiam bem. Desta vez, também não foi dos melhores pois cruzei me com o campeão olímpico no 3° round e fiz um combate muito bom o que não seria possível há alguns meses atrás. Agora tenho que continuar a trabalhar para poder pontuar nas próximas provas.”
Achas que Moçambique tem capacidade e atletas para estar entre os melhores do mundo? O que falta para lá chegarmos?
“Penso que sim, se chegamos a uma competição destas, tudo é possível, basta estar lá! Mas penso que precisamos de uma estrutura melhor pois o desporto em Moçambique está a precisar de um banho total de restruturação. Precisamos saber onde estamos e para onde vamos! Continuamos a fazer de tudo para que caso a nossa geração não ganhe o mundial as gerações seguintes o façam.”

Comments are closed.